Notícias

Revista Época mentiu. UGT e Força Sindical apoiam greve

23/06/2017 - 11h02 - Sinttel-ES - Redação
Imprimir

Revista afirma que as duas centrais desistiram da greve do dia 30, mas elas desmentem.

Imagem com título mentiroso da Revista Época

Na tarde desta quinta-feira (22), a Revista Época, das Organizações Globo, anunciou em matéria publicada na coluna Expresso, que após um apelo do governo Temer, a Força Sindical e a UGT teriam desistido da greve geral do dia 30.

Usando um argumento sem sentido, a revista afirma que “os dirigentes das duas centrais sindicais acreditam que a greve se resumiria a um protesto “Fora, Temer” e deixaria de lado questões que consideram importantes, como a reforma trabalhista e a da Previdência”.

Fica evidente que a revista não entendeu que o principal objetivo da greve geral e da mobilização do dia 30 é enterrar de vez a reforma trabalhista, que o governo Temer diz que pretende votar no plenário do Senado dia 5 ou 12 de julho.

Centrais desmentem

Pouco tempo depois da publicação da matéria, as centrais UGT e a Força Sindical soltaram notas desmentindo a versão da revista. A UGT, em texto assinado por seu presidente, Ricardo Patah, afirmou: “A União Geral dos Trabalhadores (UGT) em momento algum desistiu da greve geral do dia 30 de junho. A notícia publicada no Fake News da Revista Época nesta quinta-feira (22) é inverídica. Unidos nós somos fortes. Por esse motivo é comum, nesse momento, tentar desorganizar o movimento conjunto das centrais contra as Reformas Trabalhista e Previdenciária”.

Um pouco mais tarde, um comunicado da Força Sindical, anunciou que: “A Força Sindical vem a público orientar suas entidades filiadas – sindicatos, federações e confederações – a realizarem, no próximo dia 30, sexta-feira, atos, manifestações e paralisações em suas bases”. Segundo a Força, “É muito importante que os trabalhadores de todas as entidades filiadas intensifiquem esta luta, cruzando os braços e realizando manifestações em repúdio aos textos apresentados sobre as reformas”.

Negociação com o governo

Pela manhã, o site da Força Sindical noticiou que na quarta-feira (21), representantes de quatro centrais sindicais (Força Sindical, UGT, Nova Central e CSB) reuniram-se com o ministro do Trabalho para negociar “alternativas para reduzir possíveis impactos negativos” da Reforma Trabalhista. Entretanto, a reunião não teve resultados concretos, porque o ministro afirma que só vai negociar depois da aprovação do projeto no Senado.

A CUT e a CTB não participaram dessa reunião, nem aceitam negociar com o governo Temer. Na reunião da direção da CUT, na tarde desta quinta (22), Vagner Freitas reafirmou: “Convocamos todas as centrais e todos os sindicatos para estarem nessa greve. Não acreditamos numa saída negociada com golpista”. As centrais têm reunião na tarde desta sexta (23), para decidir e anunciar os próximos passos na luta para enterrar a Reforma Trabalhista.

 

Inscreva-se para receber notícias do SINTTEL-ES pelo WhastApp.
Envie uma mensagem com o seu nome (completo) e o de sua empresa para (27) 98889-6368

Sinttel-ES