Notícias

Temer acaba com o Ciências Sem Fronteiras

03/04/2017 - 12h34 - Sinttel-ES - Redação
Imprimir

 

NICOLELIS: CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS DEVE VOLTAR SE A DEMOCRACIA RETORNAR

Um dos mais premiados cientistas brasileiros, Miguel Nicolelis usou seu perfil no Twitter para lamentar neste domingo o fim do programa Ciências sem Fronteiras, decretado pelo governo de Michel Temer, e apontado como um dos grandes avanços promovidos pelo governo de Dilma Rousseff.

Para Nicolelis, o fim do programa representa grande retrocesso na educação brasileira e grande perda para os jovens que não podem pagar por intercâmbio.

“Brasil correndo a toda velocidade rumo ao passado! Sociedade que solapa sonhos da juventude comete o pior dos crimes! Nunca a juventude brasileira teve uma oportunidade como esta. Nunca a ciência brasileira foi tão oxigenada por novos ares e novas visões”, escreveu o cientista.

Apesar da tristeza, Nicolelis tem esperança de que o Ciências sem Fronteiras seja retomado em algum momento.

“Espero que este seja apenas um até logo e que quando a democracia volte ao Brasil, este programa possa ser reativado, melhorado e expandido! Elogiado em todo o mundo, Ciências sem Fronteiras permitiu que 108 mil jovens conhecessem os horizontes da ciência brasileira. Ao longo dos últimos anos, em todas as minhas palestras pelo mundo, me emocionei ao encontrar alunos brasileiros q descobriam mundo para o programa”.

Brasil247

O Ministério da Educação divulgou neste domingo (2) que o programa que oferece bolsas de estudos para estudantes de universidades públicas, o Ciências Sem Fronteiras, não acabou.

“Eram 35 mil bolsistas de graduação a um custo médio no exterior de R$ 100 mil por ano, enquanto o custo anual da merenda escolar, por aluno, é de R$ 94. Só em 2015, o Ministério destinou R$ 3,7 bilhões para manter o Programa Ciência Sem Fronteiras – o mesmo valor investido na merenda escolar de 39 milhões de alunos da Educação Básica no país.”

(argumentos do governo para justificar o fim do CsF como se o fim do programa fosse melhorar a educação básica, quando todos sabem que cada meta na educação, está a LDB, ou seja uma a Merenda Escolar nada tem a ver com o CsF).

Mas, colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, informou que o ministro da Educação, Mendonça Filho, havia decidido encerrar o programa para alunos de graduação após verificar que gastaria cerca de R$ 40 milhões para sustentar os alunos no exterior. O programa foi uma das iniciativas mais elogiadas durante o governo Dilma Rousseff.

De acordo com a coluna de Lauro Jardim, a avaliação do MEC é que o programa “não trouxe resultados devido à deficiência em inglês dos brasileiros e à falta de diretrizes claras”.

O MEC esclareceu que a Capes mantém editais para bolsas de pós-graduação, como mestrado, doutorado e pós-doutorado e que abrirá cinco mil vagas neste ano.

A nota ainda afirma que o CsF para graduação já havia se encerrado com o último edital de 2014, no governo de Dilma. O governo acrescenta que ainda há cerca de quatro mil bolsistas remanescentes deste edital no exterior e que eles estavam sem recursos.

“A atual gestão encontrou o programa com dívidas elevadas deixadas pelo governo anterior. A primeira e imediata providência da atual gestão foi garantir recursos financeiros para honrar os compromissos assumidos com os bolsistas no exterior, a fim de não prejudicá-los”, acrescentou a nota do ministério.

O MEC ainda afirma que foi feita uma avaliação em julho de 2016 sobre a modalidade de graduação e chegou à conclusão de que seria alto o custo para manter os alunos e atualmente discute “novas estratégias de internacionalização e ‘apoio à excelência nas universidades”.

 

Inscreva-se para receber notícias do SINTTEL-ES pelo WhastApp.
Envie uma mensagem com o seu nome (completo) e o de sua empresa para (27) 98889-6368

Sinttel-ES