Notícias

GVT diz que não paga e trabalhadores da Alou Telecom ficam sem Natal

22/12/2011 - 8h05 - Sinttel-ES - Redação
Imprimir

Por culpa da GVT, cerca de 40 trabalhadores e suas famílias, sendo 11 capixabas, não tiveram Natal. Desde setembro a Alou Telecom, que presta serviços à GVT, não paga os salários de seus empregados. A GVT a tudo assiste sem tomar qualquer providência, embora venha sendo cobrada pelos Sinttel RJ e ES.

As negociações entre o Sinttel-ES e o gerente de RH da GVT, Jorge Cabral começaram em novembro, quando alguns trabalhadores da Alou Telecom procuraram o Sindicato para relatar que estavam sem salários. A empresa é terceirizada da GVT e, segundo informações dos empregados, quebrou e não está mais prestando serviços à GVT.

Até semana passada, tudo caminhava para a que a GVT quitasse as dívidas rescisórias da sua contratada. Porém, na tarde desta quinta-feira (22), a GVT voltou atrás e afirmou que não vai mais pagar os salários atrasados desde setembro, mais os benefícios como auxílio alimentação, vale transporte, horas extras, etc. “Nos próximos dias, o Sinttel vai acionar o departamento jurídico para tomar todas as medidas judiciais cabíveis, uma vez que pela via negocial não houve avanço”, disse o presidente do Sinttel-ES, Nilson Hoffmann.

Nas conversas com os sindicatos, a GVT assumiria pagar as verbas rescisórias mais os salários dos meses de setembro e outubro. Os trabalhadores chegaram a receber o Aviso Prévio, em outubro, porém a Alou Telecom não efetivou o pagamento das verbas referentes à rescisão dos contratos, cujo valor beira os R$ 70 mil. “O que é R$ 70 mil para uma empresa como a GVT?”, pergunta Nilson.

“Não é a primeira empresa, contratada da GVT, que fecha as portas e deixa os trabalhadores no prejuízo. No ano passado, a Heygeo Empresa de Administração e Serviço, também prestadora da GVT, quebrou e deixou 53 pais de família sem salários. O Sinttel ingressou com uma ação judicial em maio de 2010 que tramita até hoje. Um claro indício claro que o tipo de contratação não é dos melhores, escolhendo empresas sem a menor garantia e competência para manter o contrato e honrar o compromisso com os trabalhadores”, destaca o presidente do Sinttel-ES.

MÁ FÉ

Ao se ver sem serviços para executar, conforme suas próprias justificativas, desde setembro a Alou mandou que os trabalhadores ficassem em casa e aguardassem seu chamado. Desde então, não paga os salários, tudo com a conivência e omissão da GVT, que age como se não tivesse nada a ver com a situação.

Para o Sindicato, trata-se de absoluta má fé da empresa. Tão logo tomou conhecimento do absurdo, o Sinttel RJ e ES procuraram a Alou para discutir a situação. Só que a empresa, espertamente, já havia se mudado do Rio. Desde então os Sindicatos exigem da GVT o pagamento dos salários devidos aos empregados já que, como contratante, a empresa é co-responsável pelos trabalhadores. No primeiro momento a GVT se comprometeu a resolver o problema. Disse que ia rescindir o contrato com a Alou, pagar as verbas rescisórias e fazer as rescisões de contrato de trabalho de todos os trabalhadores. Não foi o que aconteceu.

PROMETEU E NÃO CUMPRIU

Para surpresa do Sindicato, a GVT voltou atrás no compromisso assumido e passou a dizer que a Alou tem condições financeiras para assumir o pagamento das verbas rescisórias. A GVT é uma multinacional francesa do poderoso grupo Vivendi. Está entre as grandes operadoras de telecomunicações em atuação no país, apregoa ter responsabilidade social, mas quando age assim pisa feio na bola.

Inscreva-se para receber notícias do SINTTEL-ES pelo WhastApp.
Envie uma mensagem com o seu nome (completo) e o de sua empresa para (27) 98889-6368

Sinttel-ES