Notícias

Assembleia da Oi é adiada, mas o ACT está garantido até 31/12

24/10/2017 - 15h15 - Sinttel-ES - Redação
Imprimir

O juiz da Sétima Vara Empresarial onde transcorre o processo de recuperação judicial, Fernando Viana, decidiu, na noite do dia 24/0, alterar, mais uma vez, a data da ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DA Oi, agora para o dia 10. Ele aceitou parcialmente as alegações da representante do governo federal, após uma audiência com a ministra-chefe da Advocacia Geral da União (AGU), Grace Mendonça.

Os presidentes dos Sintteis da Bahia, Joselito Ferreira, Espírito Santo, Nilson Hoffmann e Rio Grande do Norte, Iara Martins, os quais juntamente com os presidentes dos Sintteis do Paraná, Pedro Rosa, Pernambuco, Marcelo Beltrão, Rio de Janeiro, Luís Antônio Souza e Santa Catarina, Rogério Soares, representantes da Fenattel na Assembleia Geral de Credores e que viajaram para o Rio de Janeiro para para participar da Assembleia no Riocentro, não podiam voltar sem abrir um canal de negociação com a Oi.

Aproveitando que não haveria a assembleia,  decidiram que  não poderiam desperdiçar a chance de estar com a diretoria da empresa e cobrar o início das negociações dos Acordos Coletivos 2017/2018. Mesmo não contando com a boa vontade por parte dos representantes da empresa, que, por diversas vezes, externaram que só reuniriam conosco referente a este tema após a conclusão da recuperação judicial, superou-se esta reação adversa e foi realizada uma reunião  com a diretoria da empresa, iniciando o processo de negociação salarial 2017.

A  primeira parte da reunião foi para uma análise do complexo processo de Recuperação Judicial e as inúmeras variáveis e possibilidades dele refletir na negociação coletiva. Mas no meio da tarde, após a cobrança dos sindicalistas, a empresa apresentou sua contraproposta para renovação do acordo coletivo que ficaria centrada na manutenção das atuais condições por mais 12 meses. Sem nenhum reajuste nos salários, nem nos benefícios. Por eles, fica tudo como está. Congela tudo por mais um ano. Com um “grande” detalhe, pela ótica deles: o tíquete-extra não faz parte do acordo. 

A representação dos trabalhadores  fez questão apenas de reafirmar que a pauta entregue pela Fenattel reflete melhor a situação por que passa os trabalhadores e, mesmo sabendo que a inflação está em torno de 1,6%, é preciso usar da criatividade para remunerar melhor e reconhecer o esforço daqueles que, independente dos erros dos executivos e dos acionistas, vem dando o melhor de si e não permitiram a empresa até hoje ir para o buraco!

Os representantes da empresa ainda externaram a intenção de fazer valer algumas mudanças no acordo coletivo baseadas na reforma trabalhista de Temer, como alterações nas férias e compensação de jornada.  Mas os presidentes de sindicalistas já avisaram que não concordarão com nenhuma alteração se esta não beneficiar o trabalhador.

Todos sabem que o mês de novembro será definitivo para o processo negocial e a empresa atendeu à primeira reivindicação da categoria, oficializando que todas as atuais condições do acordo coletivo de trabalho estão asseguradas até 31 de dezembro/2017.

As próximas reuniões serão realizadas, antes da assembleia de credores, nos  dias 08 e 09/11 e uma rodada final de negociação nos dias 23 e 24/11, ambas com a participação normal de todos os membros da Comissão de Negociação da Fenattel.

 

Inscreva-se para receber notícias do SINTTEL-ES pelo WhastApp.
Envie uma mensagem com o seu nome (completo) e o de sua empresa para (27) 98889-6368

Sinttel-ES